Porque e-learning não é ensino mecanizado

lgumas pessoas confundem e-learning com mecanização da informação. Acreditam que se aprenderem por um PC estarão perdendo algo que com certeza teriam se tivessem em sala de aula. Por outro lado, alguns acreditam que e-learning seja apendizado de baixa qualidade, simplesmente porque é feito sem uma pessoa ao lado, e portanto, é mecanizado.

Mas afinal de contas, o e-learning não é isso? A resposta é… não!

O fato é que o e-learning quando é aplicado corretamente tem muito de humano.

As empresas que investem no e-learning tentando aplicar o velho modelo de industrialização, ou seja, simplesmente trocar a pessoa (instrutor) pela máquina, cometem um grave erro porque é impossível o aprendizado sem participação humana.

As etapas de desenvolvimento do e-learning seguem o modelo ADDIE, que correspondem às etapas de Análise, Design, Desenvolvimento, Implementação e Avaliação. Todas as etapas envolvem profunda participação de diversos profissionais. Um programa de e-learning envolve especialistas no conteúdo, o designers instrucionais, os desenvolvedores de mídia digitais e frequentemente, revisores de usabilidade e texto. Todos devem compreender não apenas o assunto a ser abordado, mas a realidade vivida pelo público-alvo de forma a adequar o e-learning ao máximo às suas necessidades.

Isso não se parece com a produção de um e-learning:

O desenvolvimento de um e-learning tem mais a ver com isto:

Além disso, o trabalho não termina com a entrega do curso. A etapa de avaliação deve garantir que sejam recolhido os indicadores de aproveitamento e lições aprendidas que darão suporte para futuras melhorias e definirão os rumos para outros treinamentos.

Assim, o modelo ADDIE garante que a aplicação de um e-learning seja resultado de um trabalho de especialistas em instrução digital que acompanharão o treinamento e irão melhorá-lo continuamente. Isso para não falarmos no ambiente no qual o e-learning está inserido. Muitos ambientes de aprendizado, seguindo a tendência da Web 2.0 são altamente colaborativos e dependem exclusivamente de participação de pessoas para seu funcionamento.

Assim, o e-learning, e aqui incluo cursos, apostilas, podcasts, redes sociais entre outros, são mídias digitais, mas que em cada ponta, tem pessoas envolvidas que constróem um aprendizado essencialmente humano.

Anúncios

One Comment on “Porque e-learning não é ensino mecanizado”

  1. Olá!

    Acompanho este blog há alguns meses – o conheci por alguns colegas da pós – e acho super interessante.

    Há algum tempo criei um blog para colocar meus textos e resenhas da pós em Planejamento, Implementação e Gestão de EAD. Minha intenção é discutir temas como LMS, Moodle, Design Instrucional, e-learning e outros assuntos relacionados.

    Se quiserem acompanhar:
    http://aboutead.blogspot.com/

    Abraços!
    Anbdreia Quelhas


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s